65 views | Not-Geral | Atualizado em: 21/12/2017

Pará lidera ranking de desmatamento

Dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) referentes ao mês de novembro apontam que o Pará foi responsável por 70% do desmatamento entre os Estados da Amazônia Legal. Na sequência surge Roraima (11%), Amazonas (7%), Rondônia (7%) e Mato Grosso (5%). O Sistema de Alertas de Desmatamento (SAD) detectou 56 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal com uma cobertura de nuvem 24%. No boletim divulgado ontem, a fração de desmatamento entre 1 e 10 hectares foi de 14% do total detectado (8 quilômetros quadrados). A grande maioria dos alertas abaixo de 10 hectares se concentrou nos Estados do Pará e Rondônia.

Considerando os alertas a partir de 10 hectares, houve aumento de 30% em relação a novembro de 2016, quando o desmatamento somou 37 quilômetros quadrados. As florestas degradadas na Amazônia Legal (queimadas intencionais e o corte seletivo de árvores de interesse comercial) somaram 40 km² em novembro de 2017. Em relação a novembro de 2016 houve aumento de 59%, quando a degradação florestal somou 25 quilômetros quadrados. Em novembro de 2017 a degradação foi detectada somente no Estado do Pará (100%).

O Estado desponta ainda como o líder da degradação da floresta no acumulado de agosto a novembro, com 5.309 km² – 46,84% dos 11.332 km² de floresta degradada em todos os Estados da Amazônia Legal no mesmo período. Na comparação com os mesmos meses de 2016, o Pará surge com um alarmante aumento de 1.966,5% – foram 257 km² de degradação no ano passado. Mato Grosso, que registrou alta de 73%, aparece em segundo, com degradação florestal de 5.197 km² entre agosto e novembro desse ano. Na sequência surgem Tocantins (722 km²), Rondônia (78 km²), Amazonas (25km²) e Acre (1 km²). Na comparação com os dois períodos acumulados, a alta da degradação em toda a floresta foi de 221%.

Redução

No que se trata do desmatamento nesses mesmos quatro meses, foi verificada uma redução de 42% no Estado do Pará, caindo de 374 km² em 2016 para 216 km² em 2017. A redução foi suficiente para que o Mato Grosso tomasse a ponta do desmatamento entre agosto e novembro últimos. Com queda de apenas 27%, o Estado fechou o período com 237 km² de áreas desmatadas. Rondônia apontou 122 km² (-46%); Amazonas, 106 km² (-55%); Acre, 32 km² (-45%); e Roraima, 18 km² (-18%). Em toda a Amazônia Legal, foi verificada uma redução de 40% no corte raso de árvores para converter áreas de floresta em pastagens, com diminuição de 1.209 km² para 731 km².

Ainda segundo o boletim do Imazon, a maioria (46%) do desmatamento no último mês de novembro ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante do desmatamento foi registrado em assentamentos de Reforma Agrária (40%), Unidades de Conservação (6%) e Terras indígenas (8%).

Por: Portal ORM, com informações de O Liberal

ÚLTIMOS POST's