71 views | Destaque | Atualizado em: 26/09/2017

Saiba como é a vida em uma das maiores mineradoras de bitcoin do planeta

A bitcoin tem se tornado um assunto cada vez mais interessante. Seja pelos ganhos potenciais com a especulação, uma vez que a moeda tem se valorizado em ritmos absurdos, seja pelo potencial de transformação no modo como o dinheiro circula pelo mundo. O que muita gente não lembra é que, por trás de todo esse ecossistema, existem as minas que fazem tudo isso funcionar de forma segura.

De uma forma resumida, a bitcoin funciona em um sistema de verificação distribuída. Cada transação é analisada por uma rede descentralizada de computadores que, como recompensa pela função, acabam recebendo bitcoins. A partir desse conceito nascem as minas, que, na prática, são grandes datacenters, com computadores de alto desempenho trabalhando pesado para sustentar o ecossistema bitcoin e, obviamente, faturar alto com isso.

Reprodução

O New York Times teve a oportunidade de conhecer uma dessas minas de pertinho. Na região chamada de Zona de Desenvolvimento Econômico de Dalad, na área da Mongólia Interior da China, em meio a várias fábricas e indústrias, existe a Bitmain, que ocupa oito galpões repletos com 25 mil computadores trabalhando para obter bitcoins. Estima-se que a empresa produza 1 em cada 20 bitcoins mineradas por dia, em um faturamento que supera os US$ 300 mil por dia.

O curioso é que, desta forma, a bitcoin começou a gerar empregos. Cerca de 50 funcionários passam o dia inteiro andando pelos longos corredores, entre os computadores da Bitmain, com um laptop na mão procurando por problemas e verificando cabos. De tempos em tempos eles enchem de água alguns reservatórios que têm como objetivo resfriar o equipamento e impedir que eles superaqueçam, derretam e, pior, provoquem um incêndio. Algumas centenas de ventiladores colaboram para evitar uma tragédia.

Reprodução

Se a bitcoin continuar a tendência de crescimento e valorização, a tendência é que mineradoras como a Bitmain cresçam e passem a empregar ainda mais pessoas. Wang Wei, gerante das instalações da Bitmain em Dalad Banner, afirma ao NYT que acredita que “no futuro, a função pode trazer centenas ou talvez até milhares de empregos, como nas grandes fábricas”.

A situação da Bitmain também ajuda a explicar a contraditória situação da bitcoin na China. O governo pretende banir todas as corretoras que operam no país, tornando dificílimo para os cidadãos chineses adquirirem e realizarem negócios com a moeda. Ao mesmo tempo, o país oferece energia mais barata para a mineração da bitcoin, tornando-se um polo na produção da criptomoeda, abatendo o principal custo de produção.

ÚLTIMOS POST's